Nessa vida, cadeia cíclica e fechada, surgem Radicais Livres que aprisionam o nosso carbono quaternário (o Coração), e impedem as Ligações Duplas, nos qualificando com funções (lineares ou exponenciais). São radicais livres presos. Nos condenam com alcunhas (seria eu um Éster, um Aldeído, ou seria eu um Disfuncional?) e logo partem as nossas cadeias, cravam as unhas em nossas veias e desaparecem! Parecem dedos histéricos, medos históricos... Afundam na memória para depois ressurgir: esse é o Ciclo Vital do Pânico-Orgânico Emocional. Seco, efêmero e saturado. Um anel benzênico representando a dupla alternância de Sentimento e Sensação.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

estrada de chão

por mais que a gente se aguente,
descrente, essa tríplice entente
ausenta-se, apaga e pressente
a tal primavera dos dentes.
o grito prolixo velado,
um dístico místi-ca-lado
sem rima alternada nem verso quebrado
é cabeça, ombro, joelho, pé, brado.
o cuspe da tua saliva,
(por mais que me pareça viva)
corrói a parede do estômago
o pâncreas, barco à deriva.
te espero com forças e formas
e farsas e folhas
e fardos e escolhas
e escapo com rotas e rimas
e rodas e remos
e rimos, sozinhas,
das bolhas e calos
nos pés.

amor-te

eu passo o passado
pra outra medida
trancada num fardo
de fera e ferida
de fato, a vida
é a morte esquecida
o desejo de volta
é o desejo de ida.

meu passo é pesado
na outra medida
não grita nem cala
apenas valida
a parte da fala
que foi corroída:
te pertenço morta
te pertenço viva.

"A nossa vida é a mesma coisa que a morte - n'outra medida."
- Cecília Meireles

sem as mãos

Coração é que nem bicicleta. E ninguém entende minha bicicleta.
Ela não desmonta, mas também n'aguenta: se a fizer de tonta, a bicha te arrebenta. O freio é todo gasto, e o pneu, careca - de saber dos rastros e pedaços que deixou pra trás. Tá desalinhada, pedalando dura, toda maltratada, com falha na pintura... O banco não senta, mas sente. O quadro não pinta, mas pende. Às vezes, se faz transparente, que fica difícil de achar, de repente. O guidão tá frouxo, tá sem direção. O bagageiro, gente, perdeu a noção do quanto de peso que já carregou. Das muitas caronas, de uma não esqueço: três anos de mágoa virada ao avesso. Foi aquilo que acabou com o pobre bagageiro. Desde então aprendi que até peso é passageiro. Conserto pra isso não se mede preço. Mas enfim. Ai, meu Deus... Eu mereço: é garfo arranhado, é pneu que é furado, é aro que empena... Coitada. Que pena: minha bicicleta já roubou a cena. Já se desmontou, quando era pequena. Desenferrujou, se recuperou; caiu, chorou, e se consertou todinha. Mas de tanto que andou nas nuvens - e depois desandou na linha, hoje minha bicicleta (fraquinha, fraquinha...) anda é sozinha.

transa

estranhe-se não
estrague-me a mão

graveto
de estrada
de chão

expurgue-se
abuse-me então
emane sertão
engano
ser
vão

ser til
ser trema
sermão

apresse
a prece,
pagão

o modo de produção
a grosso modo:
o osso morde o cão

o quatro
a roda
a tração

me prova
(o trânsito na contramão)

me prende
(polícia come ladrão)

metralha-
me traia
me transa
com a mão

me entrega
um tu és
que eu
te dou um
te são.
Quero te provar
sem pudor,
sem parar;
depravar,
desbravar,
sempre a dois,
o teu mar
sem depois.
Quero dar,
receber,
degustar
teu sabor,
ser teu par.
Quero a boca
molhada,
as pernas
abertas,
os lábios
inchados,
sentidos
alertas;
aprumar,
padecer
de prazer.
Trupicar
e cair
em voc
ê.

Hiato

O olho de sol y sombra 
o gosto de sal y sono 
o porte de sorte nômade, 
passo pro norte o sul

pras dunas de areia e sangue 
estanco na veia o corte
correndo na pressa, apanho
a raiva que às vezes morde
 
E a frase tropeça frágil
no avesso (que então dá certo) 
e põe-se cansar do acaso
e do resto do vasto (uni)verso

- e acata a branda catarse 
do berço do véu da fome 
(me empresta um pouco teu nome?
 devolvo assim que puder)

a breve vagante sílaba 
(ao passo que afaga a língua)
se esconde, arredia e vinga-se.
extinta, vazia, atroz.

e eu nem mesmo disse um pio
e eu nem mesmo ouvi tua voz.
a força desse ditongo
é a forca de todos nós.

Hair

tenho pêlos
e amo tê-los
todos nós nos meus cabelos
- e ai de quem repreendê-los!:
pelo menos sou feliz.
essa é pra você que diz
que meus ambíguos novelos
não têm graça nem apelos:
antes peluda que pelada
e você
que não tem nada?