Nessa vida, cadeia cíclica e fechada, surgem Radicais Livres que aprisionam o nosso carbono quaternário (o Coração), e impedem as Ligações Duplas, nos qualificando com funções (lineares ou exponenciais). São radicais livres presos. Nos condenam com alcunhas (seria eu um Éster, um Aldeído, ou seria eu um Disfuncional?) e logo partem as nossas cadeias, cravam as unhas em nossas veias e desaparecem! Parecem dedos histéricos, medos históricos... Afundam na memória para depois ressurgir: esse é o Ciclo Vital do Pânico-Orgânico Emocional. Seco, efêmero e saturado. Um anel benzênico representando a dupla alternância de Sentimento e Sensação.

domingo, 4 de março de 2012

mais querido

mas eu queria tanto
é sentir a culpa
de um sorriso teu
e aguentar calada
tua boca aberta
- tua língua incerta
tracejando passos
nos brancos espaços
do meu paladar

quereria tonto
dedicar canções
redigir poesia
em cartões postais
só pra confirmar
que estou sempre junto
pra mudar de assunto
e te dar a mão

Um comentário:

  1. Suas poesias são, realmente, feitas de pedaços de alma. Da gosto de ler.

    ResponderExcluir