Nessa vida, cadeia cíclica e fechada, surgem Radicais Livres que aprisionam o nosso carbono quaternário (o Coração), e impedem as Ligações Duplas, nos qualificando com funções (lineares ou exponenciais). São radicais livres presos. Nos condenam com alcunhas (seria eu um Éster, um Aldeído, ou seria eu um Disfuncional?) e logo partem as nossas cadeias, cravam as unhas em nossas veias e desaparecem! Parecem dedos histéricos, medos históricos... Afundam na memória para depois ressurgir: esse é o Ciclo Vital do Pânico-Orgânico Emocional. Seco, efêmero e saturado. Um anel benzênico representando a dupla alternância de Sentimento e Sensação.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

dois nós

isso só pode ser errado
você é sensível e eu também
e a gente assim: num vai-num-vem
- isso é coisa lá que se faça?
você é todo (e eu sou é farsa:
forço um cinema nas entrelinhas
do nosso esquema retardatário),
você é vários e eu sou de versos
isso só pode ser arredio
- amor covarde de quem se esconde
por entre grades de "quando?", "onde?"
- isso é lá cena que se interpreta?
 você é meio e eu sou completa
e "o amor é feio", "o amor é briga"...
isso é coisa lá que se diga?
de cada lado, eu vejo um pranto
queimar calado num desencanto
- perene, vil.
você é poema e eu sou poesia
e o cinema acaba aqui:
sala vazia, cortina rala,
rostos cansados e dois
nós

Um comentário: