Nessa vida, cadeia cíclica e fechada, surgem Radicais Livres que aprisionam o nosso carbono quaternário (o Coração), e impedem as Ligações Duplas, nos qualificando com funções (lineares ou exponenciais). São radicais livres presos. Nos condenam com alcunhas (seria eu um Éster, um Aldeído, ou seria eu um Disfuncional?) e logo partem as nossas cadeias, cravam as unhas em nossas veias e desaparecem! Parecem dedos histéricos, medos históricos... Afundam na memória para depois ressurgir: esse é o Ciclo Vital do Pânico-Orgânico Emocional. Seco, efêmero e saturado. Um anel benzênico representando a dupla alternância de Sentimento e Sensação.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

sem as mãos

Coração é que nem bicicleta. E ninguém entende minha bicicleta.
Ela não desmonta, mas também n'aguenta: se a fizer de tonta, a bicha te arrebenta. O freio é todo gasto, e o pneu, careca - de saber dos rastros e pedaços que deixou pra trás. Tá desalinhada, pedalando dura, toda maltratada, com falha na pintura... O banco não senta, mas sente. O quadro não pinta, mas pende. Às vezes, se faz transparente, que fica difícil de achar, de repente. O guidão tá frouxo, tá sem direção. O bagageiro, gente, perdeu a noção do quanto de peso que já carregou. Das muitas caronas, de uma não esqueço: três anos de mágoa virada ao avesso. Foi aquilo que acabou com o pobre bagageiro. Desde então aprendi que até peso é passageiro. Conserto pra isso não se mede preço. Mas enfim. Ai, meu Deus... Eu mereço: é garfo arranhado, é pneu que é furado, é aro que empena... Coitada. Que pena: minha bicicleta já roubou a cena. Já se desmontou, quando era pequena. Desenferrujou, se recuperou; caiu, chorou, e se consertou todinha. Mas de tanto que andou nas nuvens - e depois desandou na linha, hoje minha bicicleta (fraquinha, fraquinha...) anda é sozinha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário