Nessa vida, cadeia cíclica e fechada, surgem Radicais Livres que aprisionam o nosso carbono quaternário (o Coração), e impedem as Ligações Duplas, nos qualificando com funções (lineares ou exponenciais). São radicais livres presos. Nos condenam com alcunhas (seria eu um Éster, um Aldeído, ou seria eu um Disfuncional?) e logo partem as nossas cadeias, cravam as unhas em nossas veias e desaparecem! Parecem dedos histéricos, medos históricos... Afundam na memória para depois ressurgir: esse é o Ciclo Vital do Pânico-Orgânico Emocional. Seco, efêmero e saturado. Um anel benzênico representando a dupla alternância de Sentimento e Sensação.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

estrada de chão

por mais que a gente se aguente,
descrente, essa tríplice entente
ausenta-se, apaga e pressente
a tal primavera dos dentes.
o grito prolixo velado,
um dístico místi-ca-lado
sem rima alternada nem verso quebrado
é cabeça, ombro, joelho, pé, brado.
o cuspe da tua saliva,
(por mais que me pareça viva)
corrói a parede do estômago
o pâncreas, barco à deriva.
te espero com forças e formas
e farsas e folhas
e fardos e escolhas
e escapo com rotas e rimas
e rodas e remos
e rimos, sozinhas,
das bolhas e calos
nos pés.

Nenhum comentário:

Postar um comentário